Complexo de Produção da Ponta do Ismael

 

O Complexo de Produção da Ponta do Ismael, situado na margem esquerda do Rio Negro e na zona oeste da cidade, conta em uma mesma área com as instalações de duas estações de tratamento de água denominadas: Estação de Tratamento de Água I (ETA I), a mais antiga e com operação plena desde 1973 e a Estação de Tratamento de Água II (ETA II), inaugurada no segundo semestre de 1998.

A ETA I é uma estação do tipo convencional, ou seja, funciona segundo a tecnologia do tratamento em ciclo completo, compreendendo unidade de mistura rápida (calha Parshall), seis floculadores, seis decantadores, dezesseis filtros de camada dupla (de areia e antracito), antecedendo o condicionamento final por meio da cloração para desinfecção.

Os produtos químicos aplicados no tratamento da água são preparados em dois locais: na Casa de Química recentemente construída junto à Central de Estocagem de Produtos Químicos, onde está centralizado todo o armazenamento e manuseio destes; e na antiga Casa de Química, que foi reativada para preparo de polímero no auxílio à coagulação/floculação.

Capacidade de produção da ETA I: 3,7 m3/segundo de água tratada.

Descrição do Processo: O processo de tratamento na ETA I está dividido em 8 etapas: captação de água bruta; pré-alcalinização; coagulação/floculação; decantação; filtração; desinfecção, pós-alcalinização e bombeio à cidade.

1. Captação de água Bruta:

A captação de água bruta é realizada no Rio Negro através de tomada d’água constituída por tubulões de concreto, no interior dos quais estão instaladas bombas de eixo vertical a uma profundidade de aproximadamente 30 metros das que elevam o líquido até a câmara de carga da estação.

2. Pré-alcalinização:

Entre as características da água bruta, além da sua cor escura causada por colóides orgânicos resultantes da decomposição de matérias vegetais, destaca-se um teor muito baixo de sais e alta acidez. Esta condição obriga a realizar uma correção com cal para aumentar a alcalinidade e corrigir a acidez. Isto é necessário para ter as condições químicas ideais para as etapas seguintes do tratamento. Esta correção é feita na adutora de água bruta, antes da chegada à estação.

3. Coagulação:

A água bruta com sua acidez corrigida é adicionada com coagulante sulfato de alumínio. O processo de coagulação ocorre com as sais de alumínio que neutralizam cargas elétricas das partículas coloidais (matérias orgânicas, argilas, microorganismos, areias finas). Esta condição permite as partículas se juntarem no estágio seguinte para formar agregados de maior tamanho.

3. Floculação:

As partículas coaguladas se agregam entre sim com ajuda de um coadjuvante, polímero sintético não iônico, formando partículas progressivamente maiores e mais pesadas. Este processo de agregação que envolve processos físico-químicos complexos chama-se de floculação. Ocorre nos floculadores hidráulicos, cuja geometria permite dissipação de energia e favorece o contato entre as partículas para possibilitar a agregação das mesmas. Dispõe-se de seis módulos de floculação.

4. Decantação:

A água que sai do floculador entra nos decantadores, onde as partículas agregadas sedimentam até o fundo do tanque enquanto a água clarificada é coletada em calhas e encaminhada a etapa seguinte de filtração. Os lodos sedimentados são concentrados numa área no fundo por meio de raspadores e sugados por meio de sifonados (air-lift) e eliminados do tanque em forma continua e automática. Existem seis módulos.

5. Filtração:

A água decantada é conduzida por meio de um canal até os filtros. A filtração é realizada por meio de uma camada de areia e antracito, onde ficam retidas partículas que não foram eliminadas na decantação.

6. Desinfecção:

A água filtrada é desinfetada por meio de cloro, um poderoso oxidante que elimina os microorganismos, juntamente com o cloro também é aplicado o flúor na ádua tratada. A fluoretação da água é uma tecnologia reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a mais efetiva na prevenção da cárie dentária. Em pequenas quantidades, o flúor inibe o crescimento bacteriano e fortalece o esmalte do dente, principalmente em crianças. Estudos da OMS apontam que, em quantidades adequadas, o flúor pode reduzir em 65% a incidência de cáries dentárias.

7. Pós-alcalinização:

Antes de ser bombeada para cidade, é feita uma segunda correção da acidez por meio de cal. Isto permite ter uma água tratada para atender à Portaria 518 do Ministério da Saúde.

8. Bombeio a Cidade:

Ao final de todo o processo, a água tratada é bombeada para a cidade por meio de bombas de grande porte e através de adutoras até os reservatórios a partir dos quais se realiza a distribuição para as residências.

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA II – ETA II

Localizada próxima à ETA I e dentro da mesma área do Complexo Produtor da Ponta do Ismael, a Estação de Tratamento de Água II foi inaugurada no segundo semestre de 1998 seguindo o Processo de Filtração Direta de Fluxo Ascendente.

Em 2002, foi agregado a essa estação o módulo de flotação, composto de oito flotadores. Este processo permite a pré-clarificação da água antes da filtração. Nos flotadores são realizados os processo de coagulação, floculação e flotação.

Capacidade de produção ETA II: 3,5 m3/segundo de água tratada

Descrição do Processo:

Nesta estação de tratamento, os passos de processo são equivalentes aos descritos na ETA I: captação; correção da acidez, coagulação; floculação; flotação; filtração; desinfecção; pós-alcalinização e bombeio. A diferença fundamental é que nesta estação, no lugar da decantação, existe a flotação.

Flotação:

A água entra nos flotadores por meio de câmaras inferiores, onde ocorre o processo de coagulação/floculação e ingressa no flotador, onde é injetada água limpa sob pressão com alto conteúdo de ar dissolvido. No momento da mistura das duas águas, o ar dissolvido se libera formando bolhas de tamanho microscópico, que se associam aos flocos formados, fazendo-os menos densos que a água. Em vez de sedimentar estas partículas se elevam até a superfície do tanque, formando lodos flutuantes, enquanto que na parte baixa do tanque a água clarificada atravessa um falso fundo perfurado, onde é coletada e encaminhada para os filtros. Os lodos flutuantes são eliminados por vertedouros hidráulicos automaticamente.