Manaus Ambiental orienta leitura do hidrômetro

Manaus, 27 de julho de 2017 - A Manaus Ambiental voltou a orientar os usuários do sistema de distribuição de água da empresa, para que criem o hábito de acompanhar e fazer a leitura do próprio hidrômetro. O objetivo é que haja um entendimento mútuo, sobre os números registrados no equipamento e os valores mensais cobrados na conta de água.

Com base nos problemas provocados, em grande parte, por vazamentos dentro do imóvel, a iniciativa também visa evitar o desperdício d​e água potável, ​cuja perda é superior a 40% do que é ​produzido e disponibilizado pela concessionária ​para a população manauara. Além do que é desperdiçado, também faz parte dessa perda as ligações clandestinas. Essas, além de prejudicarem o fornecimento de água para os vizinhos, põem em risco a qualidade da água na localidade e é sempre onde ocorre maior desperdício.

A equação é simples e começa pelo hidrômetro, que é aquele aparelhinho instalado na frente das casas​, e que mede o volume de água fornecido​ pela Manaus Ambiental.

Para saber a quantidade de metros cúbicos de água consumidos no mês, o usuário precisa anotar os quatro números pretos expostos na parte esquerda do ‘relógio’. Os outros, em vermelho (parte direita), devem ser desconsiderados. ​Um metro cúbico (m3) de água é o mesmo que 1.000 litros, que equivale a 50 garrafões de água ou 500 garrafas PET.

O procedimento precisa ser feito com bastante atenção, para evitar que o lacre não seja violado e todo o processo de leitura fique comprometido.

​Passado um período de 30 dias, os números registrados anteriormente devem ser subtraídos dos atuais, para que se chegue à quantidade que foi consumido no período ​observado.  Exemplo: 0679 na primeira leitura, contra 0694 na segunda​. A diferença é igual a 15 metros cúbicos​, ou 15 mil litros, que é o volume consumido durante esses 30 dias numa casa onde moram quatro pessoas, por exemplo. 

Portanto, na fatura mensal estará o registro feito durante o período de leitura do hidrômetro, que representa o volume de água acumulado e, consequentemente, o consumo a ser cobrado.

O volume é influenciado por três fatores: consumo efetivo, que é percebido como consumo real e varia de acordo com as necessidades em cada domicílio; desperdício, que representa as perdas voluntárias durante as atividades domésticas e causadas pelo mau uso da água e por maus hábitos; e vazamento, com as perdas involuntárias, geralmente não aparentes, imperceptíveis em torneiras, sanitários, caixas d’agua e outros.

Atitudes simples

Para não ser surpreendido com valores cobrados acima do programado, os usuários precisam promover reparos em possíveis vazamentos, além de evitar desperdícios de água em áreas como o banheiro, onde o consumo chega a 78% do total utilizado em uma residência. Um banho demorado chega a gastar 135 litros de água limpa, o equivalente a 70 garrafas pets. Banhos de no máximo cinco minutos economizam água e energia elétrica.

Outro problema pode estar na descarga, pois uma válvula de vaso sanitário chega a consumir 20 litros de água tratada quando acionada uma única vez. A orientação é apertar apenas o tempo necessário e evitar que lixo seja jogado no vaso, para não entupir a rede de esgoto.

No ato de escovar os dentes com a torneira aberta gasta-se até 25 litros da água. Nessa situação, recomenda-se que os dentes sejam escovados primeiramente, para depois abrir a torneira. A economia pode ser ainda maior se for usado apenas um copo com a quantidade adequada para o enxágue.

Uma torneira aberta gasta de 12 a 20 litros d’água por minuto. A torneira pingando gasta 46 litros por dia.

Já o ato de lavar louças com a torneira aberta o tempo todo acaba desperdiçando até 105 litros de água. O certo é primeiro escovar, ensaboar e depois enxaguar tudo de uma só vez.

A lavagem de carros deve ser efetuada com um balde. Com a mangueira aberta continuamente se consome, em média, 600 litros equivalente a 360 litros de garrafas pets.  Com o balde, esse número cai para aproximadamente 60 litros. Portanto, lavar carro ou pátio com a mangueira aberta é um grande desperdício e pode trazer uma surpresa desagradável na conta de água!

 

Como efetuar a leitura do hidrômetro:

 Para efetuar a leitura, basta registrar os números que aparecem no mostrador, na ordem em que eles estão (da esquerda para a direita);

 Quando o último número do mostrador for vermelho, ele não deve ser lido, pois acusa a quantidade de litros de água consumidos, e os anteriores são expressos em metros cúbicos;

 Se último for preto como os outros, deve ser lido normalmente;

 Este detalhe é muito importante, pois pode aumentar o consumo e ocasionará um erro de leitura provocando consequentemente um faturamento indevido.

 Digamos que a leitura do mês anterior foi 4.503. O Consumo deste mês será: (4.527 – 4.503) = 24m³.

    Obs.: para se obter o consumo, basta você subtrair a leitura atual pela anterior.

Outras dicas:

 Aproveite a água da chuva para aguar as plantas e o jardim. As plantas absorvem mais água em horários quentes, então molhe-as de manhã cedo ou no fim do dia;

 Em vez da mangueira, use vassoura e balde para lavar pátios e quintais. Uma mangueira aberta por 30 minutos libera cerca de 560 litros de água;

 Reaproveite a água da sua máquina de lavar para lavar a calçada;

 Tenha um registro de passagem interno para vedar a água em caso de acidentes com torneiras, chuveiros e descargas;

 Mantenha a caixa d’água em local adequado e protegido do sol;

 A ligação interna do imóvel deve ser toda oriunda da caixa, evitando pontos de consumo com ligação direto do hidrômetro. A caixa garante ao usuário abastecimento 24 horas e reserva em caso de problemas no sistema da Manaus Ambiental.

Fonte: Manaus Ambiental